Greve na Caixa Geral de Depósitos contra privatização e OE 2013

Greve na Caixa Geral de Depósitos contra privatização e OE 2013

03-11-2012

Os funcionários da Caixa Geral de Depósitos (CGD) estiveram em greve esta sexta-feira, 2 de Novembro 2012. A paralisação foi convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores Grupo Caixa (CRGC), como forma de protesto contra a privatização da instituição e a redução dos salários produzida pelo Orçamento de Estado 2013. A Greve de hoje registou uma adesão massiva, com particular incidência na Empresa leader do Grupo, a CGD, segundo o sindicato. 

A greve fez-se sentir em todo o universo do Grupo, muito especialmente na rede de Agências CGD, com a maioria dos balcões a encerrarem ou a funcionarem apenas para prestar informações, e outros a funcionar sem as condições mínimas de segurança, recorrendo em muitos casos, a trabalhadores com vínculo precário. Também os serviços centrais estiveram a funcionar de forma reduzida e essencialmente à base de trabalhadores em regime de outsourcing

Cerca de 500 trabalhadores e reformados do Grupo CGD, provenientes de norte a sul do país, concentraram-se pelas 15 horas junto à Sede da CGD em manifestação de protesto por aquele que consideram ser um «Natal Negro» e contra o Orçamento de Estado para 2013 e este Governo que está a tornar as nossas vidas insuportáveis. Os trabalhadores protestam contra os cortes de 3,5% a 10% nos salários acima de 1500 euros e do subsídio de férias e de Natal, o aumento dos impostos e a suspensão das diuturnidades, anuidades, promoções e prémios, o congelamento do subsídio de almoço e a redução nas ajudas de custo.
 
Num total de 800 balcões espalhados pelo país, o sindicato assegura que pelo menos 200 estiveram totalmente encerrados e outros 200 a funcionar "à porta fechada". "«A greve não se sente tanto em Lisboa, onde há muitos precários, contratados a prazo, mas no país profundo», afirmou João Lopes, dirigente do STEC, citado pela Lusa.

No discurso que proferiu na concentração, o presidente da direcção do sindicato, João Artur Fernandes Lopes, disse que a manifestação «visa também manifestar o nosso repúdio por qualquer alienação de activos que o Governo pretenda fazer, dentro do Grupo CGD». A venda da Caixa Saúde, que «revestirá um enorme prejuízo para as contas do Grupo CGD», e a venda anunciada da Caixa Seguros, que «passaria a ser o único Banco a actuar no mercado sem ter seguros próprios» - são vendas que «só têm uma intenção - enfraquecer e descapitalizar a CGD, para atingir um objectivo final - a destruição completa do Grupo público!»

A greve foi convocada em 17 de Outubro passado, em comunicado do sindicato que, entre várias reivindicações laborais, «repudia a tentativa de venda às fatias do Grupo CGD, de que é exemplo a área da saúde, depois da CGD ter investido centenas de milhões de Euros, nas várias unidades dos HPP, a última em Agosto 2012, com o Hospital de Albufeira, e agora vende a preço de saldo todo este investimento, a um grupo empresarial brasileiro». E «repudia a privatização parcial ou total da CGD que, para além de colocar Portugal como o único país da zona Euro sem um Banco público, arrastaria, entre outras graves consequências para o país, um cenário que põe em causa os postos de trabalho na Empresa.»

O Dirigente alertou também para «a tragédia que se perfila com o Orçamento de Estado para 2013 e as notícias de que o governo já tem um plano B, para cortar mais 4 mil milhões de Euros, nas áreas da Saúde, Educação e Segurança Social» Acrescentando que estas medidas «só podem ter uma resposta - A luta pelo derrube deste Governo!».

E concluiu, dizendo: «O Governo, que está a atirar o país para a miséria e a conduzir a um descalabro social sem precedentes, tem de ser travado nesta sua política irresponsável, de fazer pagar aqueles que menos têm, os desvarios de uma governação que alienou, vendeu e destruiu a produção nacional e nos colocou reféns de uma divida, de que nem sequer sabemos o valor, de que não conhecemos a origem e de que até desconhecemos quem são os credores. Temos direito à vida e não aceitamos um governo e uma política que nos conduz ao abismo!»

A greve afectou também a programação da Culturgest para a noite de sexta, com o cancelamento do concerto do baterista norte-americano Jim Black no Grande Auditório e dos três espectáculos de dança do projecto "Celebração" no Pequeno Auditório. Um destes espectáculos - o Cabaret Curto & Grosso - mudou de palco e actuou a partir das 0h30 no Ritz Club, com entrada livre.

O STEC vai promover no próximo dia 8, uma Conferência-Debate, cujo tema é «Vender a Caixa é vender Portugal», com a qual pretendem começar a sensibilizar a opinião pública para a importância crucial desta questão.

No dia 14 de Novembro, os trabalhadores da CGD estarão também a greve geral, que irá ocorrer também noutros países do Sul da Europa. 

 

Fontes
Editores: 
Este artigo contém informação proveniente de meios de comunicação comerciais; a sua fiabilidade não é garantida.
Secção: 
Etiquetas: